Amigo para todas as horas!

6 jun

Por Flávia Barros

Essa cara aí de cima, escrito por Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos, será seu melhor amigo no decorrer do ano do desenvolvimento do seu TCC.

 É com ele que você tira as dúvidas sobre pesquisas bibliográficas, onde e como usar  uma boa citação, como  organizar o seu trabalho, ou seja, TUDOOO!!

O seu orientador sempre vai pedir/mandar, logo no primeiro encontro que você leia o livro de metodologia, e acredite, ele tem toda razão, sem esse livro, você não faz nada!

Claro, esse daí não é o único, mas é um ótimo livro para tirar suas dúvidas nas horas mais aflitas quando você estiver escrevendo seu TCC

Boa noite, e até a próxima.

Anúncios

Você e o seu TCC

5 jun

Por Monique Igreja

Inuauguramos hoje uma seção especial no blog. A cada semana, vamos apresentar pra vcs as experiências vividas por profissionais recém-formados e seus respectivos TCCs. Se você quiser ser o personagem da nossa próxima seção, mande um e-mail para moniredacao@gmail.com. Espero que gostem!

***

A publicitária Natália Costa, de 24 anos, concluiu recentemente a sua graduação pela Universidade da Amazônia (Unama). No projeto experimental, a jovem escolheu abordar o twitter como ferramenta de divulgação da cultura paraense. “Eu percebi que a cultura do Estado estava sendo bastante divulgada pela mídia independente, e decidi analisar quatro perfis do twitter”, relata a publicitária, que acompanhou durante um ano os microblogs @misspratinha, @serasgum, @musicaparaense e @ciriooficial.

Natália diz que a maior dificuldade sentida ao longo do estudo, foi o fato de não existir uma vasta bibliografia relacionada ao assunto. “Os artigos disponíveis eram mais voltados às mídias sociais em geral, e não ao twitter.”, afirma. “A falta de autores faz com que um tema atual seja mais complicado de se pesquisar. Por isso, é preciso ter cuidado para não cair no ‘achismo’”, alerta.

A Capa do TCC da publicitária Natália Costa

No dia da apresentação do projeto experimental, a publicitária conta que ficou nervosa, mas conseguiu ter autocontrole, para que o nervosismo não prejudicasse a sua exposição. Para Natália, é essencial que, no momento da explicação, o estudante tenha domínio do assunto e apresente uma boa postura ao expor o tema. “Tenho uma amiga que por ter falado baixo e rápido, acabou perdendo dois pontos”, relata.

A partir do TCC de Natália – que recebeu a nota 8,5 -, o idealizador do projeto Música Paraense, Edvaldo Souza, pretende publicar um artigo. Agora, a publicitária planeja se especializar na área de mídias sociais ou realizar um mestrado relacionado à cultura. A equipe do blog “Corra que o orientador vem aí” deseja muita sorte para Natália em sua nova empreitada!

Dicas da Analaura

5 jun

A professora Analaura Corradi – orientadora do TCC da Monique e da Emily – topou gravar um vídeo para o blog, contando quais são as maiores dificuldades dos alunos na hora de elaborar o projeto experimental. Confira!

Quer saber o que é necessário para que um TCC receba a nota 10???A professora dá algumas dicas.

Descobrindo a Perereca

4 jun

Por Mariana Lima

Como vocês já sabem, eu faço TCC junto com duas amiguinhas, a Katherine e a Flávia (que às vezes me deixam louca, mas faz parte).

Os nossos objetos de pesquisa são o Blog da Perereca da Vizinha e o Blog do Barata, mas nesse post, eu vou fazer um pequeno tour pelo blog da Perereca da Vizinha escrito por Ana Célia Pinheiro.

Pra começar, posso dizer que o nome do blog já é bem interessante e diferente, atraindo assim a atenção dos cibercuriosos. Porém, quando acessamos, vemos que ele trata de um assunto batido e rebatido pelos meios tradicionais e aparentemente, agora, pelas novas mídias. Por mais requentado que o tema esteja, sempre aparecem uma figurinhas novas ou antigas do cenário político paraense que insistem em esquentá-lo de novo, dessa forma tem sempre um prato novo no fogo. E quem está lá para dissertar e trazer à tona o assunto?! A perereca, é claro! Ao discutir e expor as artimanhas e falcatruas de nossos queridos parlamentares, o blog, que está há cinco anos no ar, exibe através de fotos, vídeos e denúncias, a situação da política no Estado.

Com textos longos e acusatórios, Ana Célia chama a atenção dos internautas para questões que acontecem bem debaixo do nosso nariz. E pode ter certeza, a coisa fede e a gente não tá nem aí. No entanto, a Perereca não se cala. E por causa desses posts tão reveladores à respeito da cara de pau de certos personagens políticos, é que o Blog da Perereca da Vizinha está sofrendo censura. Querem tirá-la do ar. Mas esse é assunto pra outro post.

O que posso dizer, ou melhor escrever por agora, é que devido a essa característica de expor tudo a todos, é que nós (eu, kath e flah) decidimos tornar a Perereca nosso objeto de trabalho. Contudo vou confessar que pode até parece fácil fazer uma análise comparativa de dois blogs, do jeito que a política do Estado vem se desenrolando, mas as dificuldades começam quando temos que aplicá-los a algumas teorias, aí é que a coisa pega.

Vocês vão ter a oportunidade de acompanhar nossa jornada, espero que aproveitem e qualquer dúvida é só deixar um comment.

Até o próximo post!

Bjo!

O C$FRÃO DA INFORMAÇÃO

3 jun

Por Monique Igreja

Os valores, conceitos e padrões do jornalismo estão mudados. Na comunicação exercida atualmente, o jornalismo e a publicidade se apresentam tão entrelaçados, que, muitas vezes, fica difícil estabelecermos os limites entre os discursos de cada um. Podemos notar essa realidade nos cadernos regionais Mercado, do Liberal, e Negócios, do Diário. Neles, as matérias jornalísticas são tratadas como mercadoria e nem sempre os textos comprados são levados ao público com a identificação de “informe publicitário”. Foi essa submissão do jornalismo à economia, ditada pela publicidade, que me instigou a elaborar o TCC sobre o tema.

O jornalista francês Ignacio Ramonet

Como diz o meu amigo frankfurtiano Ignacio Ramonet, “a informação se tornou uma mercadoria e não possui mais valor específico ligado, por exemplo, à verdade ou à sua eficácia cívica. Enquanto mercadoria, lá está em grande parte sujeita às leis do mercado,da oferta e da demanda, em vez de estar sujeita a outras regras, cívicas e éticas, de modo especial, que deveriam, estas sim, ser as suas”. Falou e disse, Ignacinho!
 
Bom, como metodologia do projeto, vou utilizar a análise de conteúdo e analisarei todas as matérias divulgadas nos cadernos “Mercado” e “Negócios” durante um mês. Só tô em dúvida quanto ao mês que escolherei… qual vcs acham que seria o melhor? Também vou realizar uma entrevista com os editores dos cadernos, pra entender direitinho o processo de construção das matérias. E, por fim, farei uma pesquisa de opinião, pra verificar o grau de interesse do público pelo conteúdo veiculado e saber se o leitor absorve o que é publicado como informação publicitária ou jornalística.
 

Ufa, muita coisa, neah?! Por isso, a palavrinha “férias” vai estar descartada do meu dicionário nesse julho.. =/ Mas, quando penso nesse sacrifício que terei que fazer, lembro das palavras da fofa da Cecília Meireles – “Porque há doçura e beleza na amargura atravessada e eu quero a memória acesa depois da angústia apagada”. Beijos pra vcs!!!

Os animais fora da mídia

29 maio

Por Emily Beckman

Olá, gente. Domingão, dia de…digitar o TCC.

Pra quem leu a apresentação inicial do nosso primeiro post, viu que vou fazer um Estudo de Caso da Agência de Notícias dos Direitos Animais (a ANDA). O objetivo da agência é informar e conscientizar as pessoas sobre as crueldades e também as conquistas em relação a vida animal, já que é um assunto pouco abordado na grande mídia. A problemática levantada aqui é como o jornalista se manifesta através das redes sociais para pautar assuntos desprezados pela mídia tradicional.

Logo da ANDA, um dos produtos de análise

Acontece que quando eu escolhi falar sobre esse assunto todo mundo vinha dizer “É bem legal o tema” ou “Égua eu gostei, bem original”. Mas a verdade é que eu não estou sabendo fazer certinho. Sei disso pela falta de empolgação da minha orientadora e as muitas coisas que ela já me falou.  Mas essa semana eu vou ter que agitar na minha metodologia que tá tão devagar quanto meu jabuti! Rs rs.

Deixando o choro de lado, vou falar um pouco da minha metodologia. Essa e uma parte bem chatinha de se fazer (depois de já ter o pré-projeto traçado).  Na metodologia é onde tem que explicar o quê e como será feita a análise do seu objeto dependendo do método de pesquisa escolhido. Minha orientadora me aconselhou a usar o Estudo de Caso e aí vou ter que analisar o conteúdo da ANDA (eu me limitei a analisar a página inicial do site, ou seja, a matéria em destaque e as secundárias, a quantidade de produtos jornalísticos e publicitários, a frequência da atualização por dia, a participação das pessoas, entre outras coisas). E como referencial teórico o assunto mais discutidos atualmente, que são as novas mídias.

Um detalhe do Estudo de Caso é que sua pesquisa tem que ser inédita e por isso tô tendo um probleminha pra encontrar textos que me deem base sobre os animais. Tenho dois artigos que baixei de estudantes de Direito, que falam sobre os animais não humanos considerados como sujeito de direito, ainda assim é pouco…SE ALGUÉM PUDER ME AJUDAR, TÔ ACEITANDO 😀

Para quem tiver interessado, aqui o twitter da ANDA @ANDAnews

E acessem também: http://www.anda.jor.br

Até a próxima 🙂

FACUL+TCC+ESTÁGIO=SOCORROO!!

28 maio

Por Katherine Freire

Saudade daquele tempo em que a sua única preocupação era saber qual o seu melhor desenho? Pois é… Daí vem colégio, mas ainda as preocupações são poucas, depois vem a tal da faculdade/universidade, onde todos na verdade queríamos chegar um dia, e CHEGAMOS!

Nos primeiros semestres parece ser tudo fácil, nada que você não possa se esforçar um pouquinho para tirar boas notas, mas caaaaalma! Saiba que a tendência é piorar, e você precisa estar atento!

Depois de um tempo percebemos que as tais ‘dificuldades’ começam a desabrochar, são muitas pesquisas, trabalhos, provas, enfim, a responsabilidade aumenta. Passam os semestres e além de ter que estudar pra manter as boas notas na facul, você também precisa estagiar. Estágio? Isso mesmo! Pode ser voluntário ou remunerado, mas pra isso, universitários, é preciso procurar. Nada melhor do que você ganhar seu próprio dinheirinho e sair pras baladas com os amigos. A verdade é que isso não passa de mais uma fase, uma responsabilidade, um comprometimento, afinal é a partir daí que você começa a ingressar no mercado de trabalho. E depois vem aquele trabalhinho que parece não ter fim, o chamado TCC. Um estudo científico através de conteúdos, teorias, métodos que você assimilou durante o período de graduação. Iiih, já era! Você ainda lembra de alguma coisa? Oo Nem adianta dizer não, saiba que é necessário e importantíssimo para a sua formação acadêmica. Sem esse projeto, aqueles 4, 5, 6 anos não adiantaram de nada! Então corram, se dediquem e gastem todas suas energias nesse projeto, afinal ele é a porta de entrada para seu desenvolvimento intelectual. AH, e não esqueça das atividades complementares! Como sofremos… #prontofalei